domingo, 27 de fevereiro de 2011

Cruz Preta de Alfenas 1956

No dia 1º de novembro de 1956, o Flamengo de Varginha enfrentou o famoso esquadrão da Associação Atlética Cruz Preta de Alfenas, que muito sucesso fez nesta época na região. A origem do nome veio porque tinha uma grande cruz escura na entrada do bairro que acabou dando o nome à localidade e ao time. O clube revelou o goleiro Ita que jogou no Vasco da Gama, além de outros nomes de expressão no futebol nacional. Romeu Paulino da Costa foi o fundador de um dos maiores times de futebol do interior do Brasil. Ele também construiu o estádio que é chamado campo do América futebol Clube em Alfenas. Entre os times que jogaram contra o Cruz Preta na década de 50, destacamos o Rosário Central da Argentina (Veja ficha técnica abaixo), Fluminense do Rio, onde na época Telê Santana era um dos jogadores e o Bangú de Zizinho, que ganhou a chuteira de ouro na época.

Cruz Preta 1x1 Rosário Central (Arg.)
Data: 10 de fevereiro de 1957
Local: Alfenas (MG)
Árbitro: José Monteiro
Renda: Cr$ 130.000,00
Gols: Chiquinho 43 do 1º, Ramirez 05 do 2º.
Cruz Preta: Ita, Nenem e Marçal, Nelson Faria, Jorginho e Geraldo, Chiquinho, Cosme (Roberto), Nelsinho, Cesar e Esquerdinha
Rosário Central: Bertoldi, Biagioli e Cardoso; Alvarez, Nime e Poy; Gimenez, Chaves (Ferruel), Sanchez, Castro (La Rosa) e Ramirez. Técnico: Diaz.

O esquadrão do Flamengo de Varginha em 1956, um time amador que fora bicampeão municipal deste ano. Em pé: Eli Capeta, Pizzo, Miserê, Tim, Suco, Vicente, Paulinho, Lourenço, Nanau e José Claro. Agachados: Duza, Peixinho, Naízo, Djalma, Véia, Jandir Barbudinho e Dóca.


A vinda do Cruz Preta à Varginha
Em 1956, precisamente no dia 1º de novembro, o Flamengo patrocinou a vinda do esquadrão da Associação Atlética Cruz Preta de Alfenas. O estádio estava lotado, diz a imprensa da época, que este foi o melhor público que o Estádio Rubro Negro já presenciou. A surpresa maior foi a vitória do Flamengo por 3x1, surpreendendo a cidade e o Sul de Minas. Todos pensavam que o Flamengo iria perder, devido à vitória do time de Alfenas sobre a Ponte Preta por 1x0. Uma semana antes, o Flamengo havia perdido para a mesma Ponte Preta de Campinas por 7x1. No ínício da partida os varginhenses começaram a ter esperança de uma vitória, jogando impetuosamente, atacava fortemente e perdeu, nos 4 primeiros minutos de jogo, duas excelentes oportunidades para marcar.
Aos 10 minutos o domínio rubro negro tornou-se realidade quando Djalma, com sua característica, entrou fulminantemente na área e marcou o 1º gol. A partir daí o Flamengo agigantou-se no gramado e teve início, naquele instante, uma grande jornada para o futebol varginhense, com um triunfo que ficou para sempre registrado nos anais desportivos de Varginha e do sul de Minas Gerais.
O primeiro tempo encerrou-se com o placar de 1x0 para o Flamengo. Na segunda etapa, aos 4 minutos, Lourenço marcou contra as suas próprias redes o único tento dos cruzpretanos. Este empate deu novo ânimo ao time do Cruz Preta, que começou a jogar com maior intensidade, dando trabalho a defesa do esquadrão local. Aos 14 minutos, Dóca marcou deixando desnorteada a defesa do time alfenense. Aos 19 minutos, Dóca, o valoroso atacante flamenguista faz o terceiro gol. Quase no final do jogo, Dóca, que estava em grande dia, marcou o quarto gol, mas foi anulado pelo árbitro. Ao final, concretizou a estupenda e expressiva vitória do Flamengo de Varginha por 3x1. Os melhores jogadores do Flamengo nesta partida foram Tim, Tadeu, Djalma e Dóca.
Na época, houve uma palestra com o técnico da Cruz Preta, Sebastião Soares (Tião), que integrou as equipes do Olaria, Bonsucesso e Portuguesa de Desportos como jogador profissional. Tião falou da fibra do time do Flamengo e o quanto significava esta agremiação para a região. No final da partida, o grande público que compareceu ao Estádio Rubro Negro aplaudiu freneticamente aos jogadores do Flamengo e muitos foram carregados em triunfo pela torcida. Foi um grande feito do Flamengo, que ao abater pelo categórico escore de 3x1 o famoso esquadrão da A. A. Cruz Preta de Alfenas, um time que teve grande cartaz em todo o Estado de Minas Gerais entre os anos 60 e 70.

Ficha técnica do amistoso dia 1º de novembro de 1956
Local: Estádio Rubro Negro, Varginha
Gols: Djalma 10´ do 1º; Lourenço (contra) 4´, Dóca 14´e 19´do 2º.
Árbitro: Canelinha e Sabino (no 2º tempo)
Flamengo: Tadeu, Lourenço e Tim, Suco, Naldo e Vicente; Zé Carlos, Naíso (Pizzo), Djalma, Duza (Paulinho) e Dóca.
Cruz Preta: Estevam; Jair e Carlos; Calé, Jorge e Espigão, Roberto, Lambari, Nelson, Paparelli e Esquerdinha.

3 comentários:

  1. Muito boa esta resenha, sempre que leio e releio estes textos, sinto muita satisfação pelo futebol de nosso Estado desbravador de Minas.

    ResponderExcluir
  2. Meu pai jogou no Cruz Preta, tenho foto, gostaria de mais informações a respeito.

    ResponderExcluir
  3. Sou neto Romeu Paulino, fiquei muito feliz com a matéria

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...